Aum ॐ Meu Recanto de Paz: 2010

ॐ Amigos, sejam muito BEM VINDOS!! ♥

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Faxina Energética para o Ano Novo



Algumas empresas fecham as portas no final do ano para realizarem o balanço contábil de suas atividades empresariais. Nós também devemos fazer esta pausa, e receber o ano novo sem mercadorias acumuladas em nosso estoque e com novos objetivos.
Por mais chato que seja, a faxina é necessária. Seguem alguns itens importantes:
- Separe três caixas, uma para lixo, uma para doação e outra para conserto, vá passando em todos os cômodos de sua casa fazendo a limpeza e colocando os itens em suas respectivas caixas. Lembre-se de que o que não serve para você pode ter serventia para outras pessoas, e só coloque na caixa de conserto o que você pretende realmente consertar e usar. Seja realista, as pessoas mudam e existem roupas que não vão mais servir, doe sem dó!
- A faxina é em todos os locais, livre-se de cosméticos e remédios vencidos, revistas, jornais e livros que você já leu, ou que nunca criou coragem de ler.
- Passe um pano úmido com produtos da sua preferência, removendo a poeira física e emocional dos móveis, objetos, paredes especialmente nos cantos, lustres, ventiladores de teto, tire os objetos colocados sobre armários, embaixo de camas; certifique-se de que sua vassoura, pano e o mais importante "sua intenção" de renovar as energias passaram por todos os locais da sua casa.
- Para limpeza energética podemos usar o que nos for conveniente, geralmente usa-se amônia, anil, sal grosso e ervas, reiki, radiestesia, mas na falta destes, uma boa oração e sentimento de renovação no coração operam milagres.
Dicas de Feng Shui para harmomizar seu lar:
- A casa deve ter uma numeração de fácil identificação, senão a sorte não vai te achar. A fachada da sua casa é sua identidade, dizem que é pela porta da casa que se conhece o dono. Então, olhe para sua porta veja o que pode ser melhorado.
- A porta deve abrir com facilidade e totalmente. Nada de portas emperradas ou com móveis atrás que impedem a abertura total, troque lâmpadas queimadas, conserte vazamentos, umidades, faça aquele pequeno conserto que você ficou de fazer a mais de um ano...
- Mantenha o fogão limpo e com todas as bocas funcionando perfeitamente e nada de pôr o lixinho perto dele!
- Na casa das nossas avós sempre tinha uma fruteira com frutas bonitas sobre a mesa, não é? Isso atrai fartura e prosperidade (e ainda ajuda na correção da nossa alimentação).
- Mantenha o banheiro sempre limpo, sem vazamento ou mofos; se possível mantenha os ralos fechados ou coloque tapetes sobre eles, mantenha a tampa do vaso abaixada e se possível sempre com a porta fechada. Colocar plantinhas no banheiro é ótimo.
- Aproveite o clima de faxina e siga em frente: descarte mágoas, ressentimentos e projetos impossíveis de serem realizados. Sabe aquela sua agenda cheia de telefones de pessoas que você nunca mais contactou e elas idem?? Passe para sua agenda de 2011 somente os contatos que são realmente efetivos; isso não é maldade, é realidade, as pessoas mudam, seguem outros rumos...
- Pense calmamente nos seus projetos, estratégias para realizá-los, avalie-se (sem críticas) e saiba diferenciar os seus projetos dos seus sonhos. Ter uma casa de campo pode ser um projeto, ganhar na MegaSena um sonho... Os projetos dependem de você para serem realizados, os sonhos dependem de sorte...
- Acredite no seu potencial!
- Arrume também seu espaço profissional, será gratificante iniciar o ano com a casa organizada, trabalhar em um local limpinho e com a sua energia pessoal a todo vapor!


(Autor: Elaine Mattos), do site "Somos Todos Um"

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Atitudes e Energia


1. Pensamentos obsessivos - Pensar gasta energia, e todos nós sabemos disso. Ficar remoendo um problema cansa mais do que um dia inteiro de trabalho físico. Quem não tem domínio sobre seus pensamentos - mal comum ao homem ocidental, torna-se escravo da mente e acaba gastando a energia que poderia ser convertida em atitudes concretas, além de alimentar ainda mais os conflitos. Não basta estar atento ao volume de pensamentos, é preciso prestar atenção à qualidade deles. Pensamentos positivos, éticos e elevados podem recarregar as energias, enquanto o pessimismo consome energia e atrai mais negatividade para nossas vidas.
2. Sentimentos tóxicos - Choques emocionais e raiva intensa também esgotam as energias, assim como ressentimentos e mágoas nutridos durante anos seguidos. Não é à toa que muitas pessoas ficam estagnadas e não são prósperas. Isso acontece quando a energia que alimenta o prazer, o sucesso e a felicidade é gasta na manutenção de sentimentos negativos. Medo e culpa também gastam energia, e a ansiedade descompassa a vida. Por outro lado, os sentimentos positivos, como a amizade, o amor, a confiança, o desprendimento, a solidariedade, a auto-estima, a alegria e o bom-humor recarregam as energia e dão força para empreender nossos projetos e superar os obstáculos.
3. Maus hábitos, falta de cuidado com o corpo - Descanso, boa alimentação, hábitos saudáveis, exercícios físicos e o lazer são sempre colocados em segundo plano. A rotina corrida e a competitividade fazem com que haja negligência em relação a aspectos básicos para a manutenção da saúde energética.
4. Fugir do presente - As energias são colocadas onde a atenção é focada. O homem tem a tendência de achar que no passado as coisas eram mais fáceis: "bons tempos aqueles!", costumam dizer. Tanto os saudosistas, que se apegam às lembranças do passado, quanto aqueles que não conseguem esquecer os traumas, colocam suas energias no passado. Por outro lado, os sonhadores ou as pessoas que vivem esperando pelo futuro, depositando nele sua felicidade e realização, deixam pouca ou nenhuma energia no presente. E é apenas no presente que podemos construir nossas vidas.
5. Falta de perdão - Perdoar significa soltar ressentimentos, mágoas e culpas. Libertar o que aconteceu e olhar para frente. Quanto mais perdoamos, menos bagagem interior carregamos, gastando menos energia ao alimentar as feridas do passado. Mais do que uma regra religiosa, o perdão é uma atitude inteligente daquele que busca viver bem e quer seus caminhos livres, abertos para a felicidade. Quem não sabe perdoar os outros e a si mesmo, fica "energeticamente obeso", carregando fardos passados.
6. Viver a vida do outro - Ninguém vive só e, por meio dos relacionamentos interpessoais, evoluímos e nos realizamos, mas é preciso ter noção de limites e saber amadurecer também nossa individualidade. Esse equilíbrio nos resguarda energeticamente e nos recarrega. Quem cuida da vida do outro, sofrendo seus problemas e interferindo mais do que é recomendável, acaba não tendo energia para construir sua própria vida. O único prêmio, nesse caso, é a frustração.
7. Bagunça e projetos inacabados - A bagunça afeta muito as pessoas, causando confusão mental e emocional. Um truque legal quando a vida anda confusa é arrumar a casa, os armários, gavetas, a bolsa e os documentos, além de fazer uma faxina no que está sujo. À medida em que ordenamos e limpamos os objetos, também colocamos em ordem nossa mente e coração. Pode não resolver o problema, mas dá alívio. O desenvolvimento do auto-conhecimento, da disciplina e da determinação farão com que você não invista em projetos que não serão concluídos e que apenas consumirão seu tempo e energia.
8. Afastamento da natureza - A natureza, nossa maior fonte de alimento energético, também nos limpa das energias estáticas e desarmoniosas. O homem moderno, que habita e trabalha em locais muitas vezes doentios e desequilibrados, vê-se privado dessa fonte maravilhosa de energia. A competitividade, o individualismo e o estresse das grandes cidades agravam esse quadro e favorecem o vampirismo energético, onde todos sugam e são sugados em suas energias vitais.


Autor:  Helena Gerenstadt, site "Somos Todos Um".

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Arrume Tempo


Arrume tempo para ser feliz.
É fundamental que você não repare apenas nas flores, mas tenha tempo para sentir seus odores e apreciar suas cores e, principalmente, disponha de tempo para oferecer uma flor para alguém.


Arrume tempo para a boa música.
É fundamental que você ouça uma boa música, mas mais importante ainda é deixar que a música flua e limpe a sua alma, que ela penetre no seu ser e que você viva cada nota.


Arrume tempo para relaxar.
Tenha tempo para se deixar levar pelas coisas simples da vida como meditar, orar, se emocionar, brincar no parque, andar de patins, de bicicleta ou simplesmente não fazer nada...


Arrume tempo para uma viagem.
Pode ser uma viagem curta ou longa, tudo depende de sua disposição, tempo e dinheiro. Mas, o mais importante é ter tempo para curtir a paisagem e não ficar esperando apenas pela chegada ao local.


Arrume tempo para uma boa leitura.
Leia um livro, mas tenha tempo para ler e viajar com os personagens até aonde a emoção puder levá-lo.


Arrume tempo para organizar-se.
É fundamental ter tempo para organizar suas coisas, mas é fundamental ter um tempo para organizar suas idéias, seus desejos e reciclar seus sonhos. Sonhos parados são como água estagnada, criam limbo, bichos e doenças.


Arrume tempo para a família.
É fundamental criar filhos, namorar (mesmo depois de 30 anos de casados), bater papo com os pais, com os irmãos, com os amigos mais próximos. Mas é muito importante que você não guarde mágoas, por isso a conversa ainda é a melhor resposta contra as dúvidas, dores e separações.


Arrume tempo para Deus.
É fundamental contar com Deus. Seja qual for sua crença, seja qual for sua religião, sem Deus é impossível ser plenamente feliz. Quanto tempo de sua vida é dedicado a Ele? Quantos minutinhos você dedica à leitura de um salmo, um versículo, uma passagem da Bíblia para meditar e praticar mudanças? Quanto de suas decisões tem a opinião de Deus?


Arrume tempo para o amor.
Ame-se! Ame muito. Não se importe com as dores e decepções do amor. Infeliz é aquele que ainda não viveu um grande amor, e todo amor fica enorme quando você respeita o sentimento que habita em você e existe para fazê-lo feliz!

"Autor desconhecido", texto recebido por e-mail.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Perdoar Para Ser Feliz


No dia-a-dia, sempre em meio a tantos acontecimentos, pode haver entre eles algum que o magoou, entristeceu ou decepcionou. Pense no que você está sentindo sobre esta situação ou pessoa.
A ciência em suas diversas pesquisas já tem demonstrado o quanto nosso físico é afetado por nossas emoções. Diversas culturas, trabalham a saúde física e buscam a causa de seus males estudando também o lado emocional e energético do ser.
Caso você se sinta injustiçado, magoado, com raiva e rancor; se alguém lhe trapaceou, foi injusto com você, trouxe alguma infelicidade pense que cada vez que remoer os acontecimentos você estará prejudicando a sua saúde.
Somos um grande instrumento de ressonância, portanto devemos prestar a atenção onde estamos colocando nosso foco, nossa energia.
Lembremos que a mente possui um poder incrível, porém enquanto estivermos cultivando estes sentimentos estaremos potencializando/alimentando mais energias nocivas em nosso organismo.
É nesta hora que devemos exercitar o Perdão, e o mais interessante é que em muitos casos devemos começar conosco, isto é, trabalhando o autoperdão. Temos um grande nível de autocrítica que em harmonia nos faz crescer, mas em desequilíbrio pode manifestar culpas, sofrimentos desnecessários e doenças.
O Perdão é um grande instrumento para você se perceber como realmente é, um ser trabalhando o seu melhor sem culpas e com discernimento. Quando você se perdoa traz a tona o seu melhor e a possibilidade de perdoar outras situações e pessoas. Isto faz seu humor melhorar, sua paz aumentar, a harmonia se torna constante, os caminhos se abrem, a prosperidade se manifesta e a saúde se implanta.
É importante que todos os dias você se comprometa a exercitar o Perdão para estar em harmonia consigo mesmo e com o próximo, pois agindo desta maneira, com certeza estará favorecendo a saúde, emoções, pensamentos e energias.
Ao perdoar corta-se os vínculos com a energia desequilibradora, libera-se as pessoas e situações e sabe quem mais lucra com isto? Você! Você abre seus canais e sua sintonia atrairá uma nova e melhor realidade.
Use o instrumento que desejar, mas a prece e a visualização sempre ajudarão muito. Aqui vão alguns exemplos:
- Todo o dia proponha-se ao não julgamento,
- Visualize você liberando a pessoa/situação em questão,
- Crie uma frase/afirmação e repita ou faça uma oração se preferir,
- Se puder faça a visualização e a afirmação,
- Faça uma longa respiração com intenção, isto é, sentindo-se liberto de qualquer sentimento negativo e
- Use todos os instrumentos a seu favor, da prece à música.
- Experimente, comece um pequeno texto como:
Hoje eu escolho perdoar e liberar todo e qualquer sentimento, energia, situações, pessoas e acontecimentos que não foram saudáveis.
Eu perdôo e libero total e completamente.
Eu recebo as bênçãos divinas em minha vida, que amplificam cada vez mais meu equilíbrio e bem estar.
Torno-me cada vez mais consciente que sou uma manifestação divina e portanto tenho saúde, paz, abundância e sabedoria.
Eu me amo e portanto manifesto este amor para todos os seres e todos os seres me retribuem com seu amor.
Dou graças por ser feliz e em minha vida atraio situações e pessoas felizes.
O Perdão favorece a sua saúde, seus processos de cura, seus relacionamentos, sua espiritualidade e sua prosperidade. Exercite e veja a diferença em sua vida!


Texto de "Solange Gardesani Luz", site "Somos Todos Um".

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Nosso Lar



Temos nossa história feliz! Que, justiça seja feita, não foi a primeira deste grande ano em que contamos com outras mensagens diretas das dimensões da Luz, como em Bezerra de Menezes e Chico Xavier, também sucessos de bilheteria nos cinemas!
Que Jesus seja louvado! Porque neste ano do centenário do nosso Chico, fomos presenteados com estas obras cinematográficas inigualáveis, que indubitavelmente são fruto de trabalho conjunto e sublime de participantes de ambas as esferas da vida: a material e a espiritual! E Nosso Lar - maravilha das maravilhas! - como esperado, só fez abrilhantar e fechar, com chave de ouro, esta temporada de grandes realizações em prol da disseminação da luz e da Mensagem Superior à população de nosso país!
Sinal de que nos julgaram dignos! Emmanuel, André Luiz, o nosso Chico, hoje a eles reunido na excelsa cidade do espaço, e assim coligados, entenderam que estava tudo a postos, e havia grandes chances de tudo sair a contento!
E assim aconteceu! Abençoados que somos! Porque provavelmente em nenhum outro momento anterior nos deparamos, no cinema, com uma iniciativa portadora de tamanha magnificência de propósitos, beleza de imagens, virtuosismo de seus atores, grandiosidade de realizações e sublimidade de contexto, reunidos numa mesma produção - como bem predissera Kardec: as realidades espirituais divulgadas por todos os meios de comunicação existentes!
Sorte nossa!
Visto Nosso Lar, busco agora dividir com os amigos leitores impressões, comunicar sensações e pareceres. Tarefa difícil! Surpreendentemente, até mesmo fazer uso fluente da palavra escrita, coisa que anteriormente sempre dominávamos com certa facilidade! A razão, queridos, é óbvia! Não existe, certamente, vocabulário condizente para se descrever, ainda, as coisas de ordem superior, das dimensões da Luz, com a devida fidelidade - mesmo em se tratando de um trabalho cinematográfico!
Não! Com a Graça de Deus, e a bênção de nossos inumeráveis amigos da magnificente cidade espiritual, Nosso Lar, filme, supera, de si, todas as expectativas! É emocionante! De uma perfeição ímpar! A missão, caros, está rigorosamente cumprida!
O acolhimento radioso das falanges, às portas floridas da portentosa cidade astralina, das multidões desencarnando por ocasião da guerra! Populações felizes se deleitando em parques deslumbrantes com apresentações musicais excelsas! Trabalho diligente! Avendidas graciosas, construções cristalinas, lagos azulíneos, flores para todo lado em relvados exuberantes - seres confraternos! Sorrisos, esperanças renovadas! Elevação! O eterno recomeçar!...
Cenários radiosos! Interpretações inesquecíveis! Beleza! Fraternidade! Luz!
Eis o luminescente fecho de ouro - o convite perene e inestimável da realidade de Nosso Lar! Logo ali - ao alcance de todos de nós! Não o desperdicemos, amigos! Porque só cabe a nós mesmos a escolha de evoluir... e de recomeçar!
Que outras histórias felizes venham!
Autor: "Christina Nunes"


"Embora ninguém possa retornar para desfazer o passado, sempre podemos recomeçar agora para construir um novo amanhã!" - Chico Xavier

sábado, 21 de agosto de 2010

Não se Subestime!


Vejo muitas pessoas lindas, com tudo de bom para viver, abandonando-se. Deixando de lado sonhos e desejos por conta dos infortúnios que a vida traz. Aliás, a vida pode mesmo nos surpreender com sérios tombos e solavancos, mas isso justifica nos deixar de lado? Ou deixar de acreditar no amanhã?
Sinto que muitas vezes as ondas de fatalismo nascem de um desejo de fugir de tudo aquilo que é difícil, complicado ou triste. Pois a maioria das pessoas não quer sofrer. Na verdade, acho que ninguém quer sofrer, ninguém quer fazer alguma coisa e perder. Quando descobrimos que algo vai dar errado, o sentimento de fracasso e frustração pode ser enorme, mas adianta nos abandonar? Adianta ficar procurando culpados ou se culpando? O que foi feito está feito, mas... e daqui para frente, como será o futuro?
Como ensinam os Mestres, não podemos e não devemos pautar as nossas expectativas a respeito do amanhã, tendo como base apenas o que realizamos ou o que perdemos no passado. Por que temos tanto medo do futuro e das experiências de vida que estão reservadas para nós? Por que esperar o pior?
Por que nos achamos tão frágeis?
A visão que temos da vida e de nós mesmos pode truncar nossos caminhos. Se não acreditamos em nosso poder pessoal, em nosso aprimoramento quem acreditará? E aprimoramento quer dizer crescer, mudar, transformar...
Todos os dias, quando acordamos, podemos escolher o que pensar e como agir, e ainda que exista uma força kármica que norteie nossos caminhos, somos livres para mudar o foco dos nossos pensamentos, mas isso somente acontece quando abrimos o leque e nos damos mais opções. A mente racional é limitada e não deve ser nossa única ferramenta.
Para evoluir, precisamos nos conhecer profundamente, mas o copo não pode estar cheio. Precisamos deixar um espaço aberto para o novo, para outras pessoas se chegarem a nós, para a vida acontecer.
Se você achar que tem todas as respostas com certeza está errando, e muito.
Você é um ser de luz. Pode ser até que você não esteja consciente do seu poder pessoal, nem da Lei da Atração que nos ensina que trazemos para nós aquilo que está no nosso foco de atenção, mas você é um ser mágico que precisa se libertar.
Tenho certeza que se você fizer um exercício honesto de auto-análise você vai se lembrar de coisas muito importantes que você superou. Tenho certeza que você também poderá se recordar de momentos em que se doou e amou profundamente. Mas se acaso você não encontrar esses registros nas suas memórias porque não criar esses momentos agora? Por que dizer que não é capaz? Ou que ninguém o (a) ama como você acha que merecAe.
Você é a sua luz.
Deus está dentro de você, não se subestime. Não diminua a sua luz, dizendo que você não merece, ou que você não consegue, ou ainda que a vida é ruim... Pode ser que atrás dessas negativas, esteja escondido um grande medo de apostar em coisas grandes, boas ou positivas. Mas até isso é bom, porque assim sendo você pode lidar com o medo que é o grande vilão e limitador da história.
Seja feliz! E viva plenamente....

Autor: "Maria Sílvia Orlovas", site "Somos Todos Um".

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Conflitos Familiares


Quem nunca viveu ou assistiu nas datas especiais, no natal, aniversários ou inocentes almoços de família, todos reunidos envolta de uma mesa e de repente fulano disse algo que ofendeu sicrano e quando você se da conta há uma discussão horrorosa e constrangedora que beira a agressão física?
Há muita idealização sobre o significado de família atualmente, há uma família pensada, imaginada, e outra, real, a família que é vivida concretamente em inúmeros lares Brasil afora.
O choque entre a família ideal e a família concreta, gera muita tensão e expectativas frustradas. O ambiente familiar é carregado de cobranças, cada membro da família espera que o outro seja como ele imagina que deve ser. Esta distorção leva as tensões e as brigas exemplificadas acima.
Raros são os casos em que não ocorrem uma sensação de desconforto nas reuniões familiares, porque existem muitas coisas que ao longo dos anos não foram ditas, há ressentimento e magoas não elaboradas e situações de desgastes que formam um caldo dentro de uma panela de pressão e que explodem em momentos em que todos estão juntos.
Quando a situação fica insuportável e compromete a vida, os laços afetivos e as emoções, é indicado a procura de ajuda especializada, compreender a dinâmica da própria família, descobrir porque cada um se comporta do jeito que se comporta dentro da família e como você se situa nessa dinâmica. Este exercício já provoca em você uma mudança que mexe na dinâmica familiar podendo transformá-la e torná-la relações mais saudáveis e descarregadas de tanta tensão.
A família é um sistema, quando uma pessoa começa a mudar, o sistema familiar começa a mudar, por isso ao procurarmos ajuda de um psicólogo podemos nos tornar um fator de mudança que contribuirá para as nossas relações familiares atuais e futuras. Nunca é tarde para darmos a importância que as relações interfamiliares merecem na dinâmica da vida. Nunca é tarde para recomeçarmos após uma autoavaliação negativa a respeito do desempenho de nossos variados papéis na estrutura familiar, porque é errando que se aprende a refletir sobre o erro cometido. Mas, acima de tudo, é acertando que iremos, gradualmente, escalando níveis cada vez mais altos da consciência humana. E o primeiro degrau dessa escada começa lá em baixo, na base: a família. Esse é o caminho da (auto)responsabilidade assumida. O compromisso consigo mesmo, com o semelhante e com a harmonia universal. O resto, a sabedoria da natureza se encarrega.


Autor: "Fátyma de Moraes", site "Somos Todos Um".

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Voltar a ser criança


Resolvi que quero voltar a ter as responsabilidades e as idéias de uma criança.
Quero acreditar que o mundo é justo, e que todas as pessoas são honestas e boas.
Quero acreditar que tudo é possível.
Quero que as complexidades da vida passem despercebidas por mim, e quero ficar encantada com as pequenas maravilhas deste mundo.
Quero de volta uma vida simples e sem complicações.
Estou cansada de dias cheios de papéis inúteis, computador, notícias deprimentes, contas, fofocas, doenças, e a necessidade de atribuir um valor monetário a tudo que existe.
Não quero mais ter que inventar jeitos para ganhar dinheiro para pagar por coisas que verdadeiramente não necessito.
Não quero mais dizer adeus a pessoas queridas e, com elas, a uma parte da minha vida. Elas ficam, a partir de agora, eternamente vivas no meu mundo da imaginação.
Eu quero acreditar no poder dos sorrisos, dos abraços, dos agrados, das palavras gentis, da verdade, da justiça, da paz, dos sonhos, da imaginação, dos castelos no ar e na areia. E o que é mais: quero estar convencida de que tudo isso vale muito mais do que o dinheiro!
Aqui estão alguns dos nossos mais profundos, sinceros e ocultos desejos.
A simplicidade do universo de uma criança faz muita falta em nossos dias, em nossos corações.
A ambição e o egoísmo acabam sempre se tornando maiores. Nesse estado, julgamos, criticamos e atacamos. Sofremos.
Na pureza de uma criança somos como O SOL que irradia luz e alegria para todos, indiscriminadamente.
Por isso, de vez em quando, demita-se!
Ou melhor, viva como se estivesse eternamente demitido de tanta complicação. Comece agora a estudar a possibilidade de enxugar a enorme quantidade de gordura que existe nas exigências da sua vida. Celular? Cartões? Empregada? Faxineira? Seguros? Carros?
Afaste-se das complicações criadas pelo mundo dos adultos. Dos sentimentos mesquinhos e pequenos deste mundo.
E fique mais próximo do único sentimento que realmente vale a pena: a PAZ e vontade de desfrutar a vida, ou seja, brincar.
E viva mais feliz!


Autor: "Cláudia Lins"

sábado, 12 de junho de 2010

Dia dos Namorados


O Dia dos Namorados é a época em que muitas pessoas param e se lembram: poxa, eu não tenho namorado! Claro que as pessoas que têm estão orgulhosas porque finalmente, neste ano, estarão acompanhadas. Mas o fato é que nos outros anos elas não estavam sozinhas. Estavam só tão longe de si mesmas que achavam que o nome disso era solidão.
Não gosto das propagandas de TV que juram que você só será feliz quando achar o seu amor (como se acha um par de sapatos numa liquidação). O pior é que muitas pessoas aceitam qualquer coisa, qualquer coisa mesmo, para não estarem sozinhas no dia dos namorados. Até mesmo a violência física, verbal, a agressão de todo o tipo e as migalhas afetivas de alguém que não sabe amar. "E daí?", pensam, "Pelo menos eu tenho alguém!"
Gente não é coisa! Não é mesmo! E amor não é essa matéria líquida que as pessoas moldam da maneira que queiram. Amor é um estado, um estado de uma sublimação fantástica, quando todos os seus dias ficam cheios de uma coisa que você nem sabe o que é. É quando você prefere estar em casa, assistindo DVD, a estar na maior e na melhor festa do mundo só porque seu amor precisa acordar cedo no outro dia. É quando tudo o que ele fez você consegue enxergar sem os olhos impiedosos do julgamento. Quando você aceita e não critica. Está tão feliz que nem sabe que dia é hoje, e se é ou não dia dos namorados.
Conheço casais velhinhos que ainda são namorados, assim como conheço casais super jovens que estão como casados há 50 anos. Tudo é um estado de espírito. A gente pode estar apaixonada e namorando o tempo todo. Podemos namorar as vitrines, namorar nossos livros, namorar nossos amigos. Podemos, o melhor de tudo, namorar a nós mesmas.
Amar aquilo que somos sem julgamento. Não se acabar num pote de Haggen Daz só porque está só (está certo que Haggen Daz é bom de qualquer jeito!). Ninguém está só no Universo, assim como ninguém está acompanhado. Existem pessoas casadas, com famílias ditas felizes, e que se sentem super sozinhas!
Precisamos parar de comprar as imagens que a TV vende! Gente... não tem para quem dar o presente? Dê um presente para si mesma, olha que ótima oportunidade! Não tem para quem dizer eu te amo? Diga para si mesma, no espelho, enquanto faz uma escova daquelas para sair com suas amigas e rir muito! A felicidade é todo dia, e cada dia a vida nos dá algo com o que sermos felizes. Um dia é um amor, outro dia é uma mãe, outro dia é um cãozinho, e outro dia é a gente mesmo.
E se você acha que não se ama, que tal se seduzir? Colocar a sua melhor roupa, se levar para fazer um daqueles programas que você adora? Tenho certeza que não haverá espaço para infelicidade de efeméride nesse caso!
Seja feliz, com você! Com ou sem namorado! E, no ano que vem... quem sabe, não é?


Autor: "Andrea Pavlovitsch"

sábado, 5 de junho de 2010

Desapego


Desapego... que exercício difícil para nós ainda presos ao ego humano... o apego é uma das maiores ilusões da vida terrena... apegar-se a que? A quem? Apegar-se para que? Se tudo é transitório, se tudo é passageiro...
O apego é uma das fontes de maior sofrimento... quanta dor, quantas lágrimas por nada.
O apego é o mesmo que querermos segurar o vento, o ar... somente com o desapego é que podemos ter... ter o que é da alma... porque nós não temos... nós simplesmente somos... somos o que somos.
O sofrimento do apego se inicia aqui, na Terra, quando presos no corpo acreditamos ter posse sobre as coisas materiais; a nossa terra, a nossa casa, as nossas roupas, a nossa beleza, o nosso carro, o nosso cargo, a nossa posição social, o nosso talão 5 estrelas, o nosso cartão de crédito internacional, a nossa empresa e assim por diante... Claro que a prosperidade é um direito do ser, é estarmos em sintonia com a energia da abundância cósmica, mas não podemos confundir com posse...
Alguns tem um forte sentimento de apego dentro de um Fusca 64 e outros passarão totalmente desapegados dentro de uma Mercedes 2010... nós aprendemos na Luz e na sombra... temos que perder para darmos valor ao ganhar, temos que passar pela escassez para aprendermos a buscar a abundância; e a vida é uma grande roda, que gira e gira e nós vamos vivenciando todos os desafios, todas as situações para adquirirmos sabedorias... tudo é cíclico... tudo é empréstimo temporário para o nosso aprendizado.
Quanto sofrimento é gerado à alma no momento do seu desencarne, quando, presa aos apegos terrenos... não alcança a Luz porque está olhando as sombras; não atinge um nível maior de consciência porque está presa à inconsciência dos apegos terrenos...
Devemos sim viver os prazeres da terra, com o desapego da alma... vivendo aquilo que a vida está nos proporcionando sem a prisão do medo da perda...
E o que dizermos do apego emocional? Ah... é mais e muito mais dolorido! Criamos inúmeras vezes na nossa mente, no nosso corpo emocional, a ilusão de que o outro nos pertence, que nós temos posse sobre o outro e também vendemos a ilusão que o outro tem posse sobre nós... e neste jogo emocional vivemos anos, vidas inteiras e criamos laços cármicos profundos... Nós confundimos apego profundo com desapego e não conseguimos realmente enxergar nossa confusão e a vida faz a parte dela, ou seja, gera o desapego para percebermos o quanto estávamos apegados.
Desapego? Amor incondicional? Baixa auto-estima? Sim, pode até ser amor mas o amor incondicional é desapego e desapego é amor incondicional... é querer a felicidade e o bem estar do outro e de si mesmo. Mas para amarmos o outro temos também que nos amar e nos respeitar. Será que não é um apego tão forte, tão enraizado, que não permitimos que o outro seja feliz e num grande auto boicote, optamos em sermos infelizes para não nos desapegarmos do outro e não permitirmos que o outro se desapegue de nós.
O que aparenta desapego é um profundo apego; tão forte que preferimos renunciar à própria felicidade do que renunciarmos ao outro.
Desapego nos liberta. Apego nos aprisiona.
Exercitemos o desapego das coisas materiais, das ilusões emocionais, dos rancores, das mágoas, de tudo aquilo que nos aprisiona.
Libertemo-nos! Sejamos livres no Desapego!


Texto de "Ingrid Dalila Engel"

quarta-feira, 26 de maio de 2010

O Poder da Palavra


Existe um poder imenso nas palavras faladas, mas poucos têm consciência dele. As palavras devem ser consideradas os alicerces daquilo que construímos na vida. Usamos palavras o tempo todo e raramente pensamos no que dizemos e como falamos. Como prestamos pouca atenção a nossa escolha de palavras, a maioria de nós fala muito com negativas...
Lembre-se sempre: existe poder em suas palavras. O poder vem quando você assume a responsabilidade por sua vida...E para ser responsável por sua vida, você tem de ser responsável pelas palavras que saem de sua boca. As palavras e frases que você emite são extensões de seus pensamentos.
Portanto, comece a prestar atenção ao que você diz. Se estiver usando palavras negativas ou limitadoras, modifique-as...
Quando estiver com outras pessoas, preste atenção ao que elas dizem e ao modo como falam. Veja se é capaz de associar o que disseram às situações que elas estão vivendo. Repare que muita gente vive na base do "eu deveria"... São pessoas que ficam imaginando porque não conseguem sair de situações desagradáveis. O fato é que elas querem controlar coisas que não podem controlar...
Outra expressão que precisa ser removida da fala e pensamento é "tenho de".
Conseguir isso é aliviar muito a pressão que impõe a você mesmo ao usar essa expressão... Em vez disso, comece a falar "escolho"...
A palavra escolher pode dar uma perspectiva completamente diferente a sua vida.
Lembre-se sempre que tudo o que você faz é por escolha, mesmo que não lhe pareça...
Quer saber o que você anda pensando e como tem falado? Então faça um pequeno exercício.
Coloque um gravador perto de seu telefone e ligue-o sempre que der ou receber uma chamada. Quando a fita estiver totalmente gravada dos dois lados, ouça o que você disse e que palavras usou. Provavelmente você ficará chocado.
A partir daí, comece a prestar atenção às palavras que costuma usar e em sua inflexão de voz. Se perceber que repete a mesma expressão três ou mais vezes, anote-a; isso é um de seus padrões de pensamento. Alguns desses padrões serão positivos e capazes de lhe proporcionar apoio, mas certamente você encontrará alguns muito negativos que só o estão prejudicando.


"Autor desconhecido"

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Amor - Perdão


A injustiça de qualquer natureza é sempre uma agressão à ordem natural que deve viger em toda a parte, especialmente no homem que, por instinto, defende-se antes de ser agredido, arma-se temendo ser assaltado, fica à espreita em atitude defensiva...Tudo quanto lhe constitui ameaça real ou imaginária torna-se-lhe temerário e, por mecanismo de defesa, experimenta as reações fisiológicas específicas que decorrem das expectativas psicológicas.
A criatura humana, portanto, convive com esses estados emocionais que se alternam de acordo com as ocorrências, e que se podem transformar em transtornos desesperadores tais o ódio, o pânico, a mágoa enfermiça.
A mágoa ou ressentimento, segundo estudos, instala-se nos sentimentos em razão do Self encontrar-se envolto por sub-personalidades, que são as qualidades morais inferiores, aquelas herdadas das experiências primárias do processo evolutivo, tais a inveja, o ciúme, a perversidade, a insatisfação, o medo, a raiva, a ira, o ódio, etc.
Quando alguém emite uma onda inferior - sub-personalidade - a mesma sincroniza com uma faixa equivalente que se encontra naquele contra quem é direcionada a vibração, estabelecendo-se um contato infeliz, que provoca idêntica reação. A partir daí estabelece-se a luta com enfrentamentos contínuos, que resultam em danos para ambos os litigantes, que passam a experimentar debilidade nas suas resistências da saúde física, emocional, psíquica, econômica, social... Naturalmente, porque a alteração do comportamento se reflete na sua existência humana.
Sentindo-se ofendido, injustiçado, o outro, que se supõe vítima, acumula o ressentimento e cultiva-o, como recurso justo para descarregar o sofrimento que lhe está sendo imposto. Essa atitude pode ser comparada à condução de "uma brasa para ser atirada no adversário que, apesar disso, enquanto não é lançada queima a mão daquele que a carrega".
O ressentimento, por isso mesmo, é desequilíbrio da emoção, que passa a atitude infeliz, profundamente infantil, qual a de querer vingar-se, embora sofrendo os danos demorados que mantém esse estado até quando surja a oportunidade. O amor, porém, proporciona a transformação das sub-personalidades em super-personalidades, o que impede a sintonia com os petardos inferiores que lhes sejam disparados.
Toda vez que é gerada uma situação de antagonismo entre os indivíduos, as sub-personalidades se enfrentam, distendendo ondas de violência que encontram guarida no campo equivalente da pessoa objetivada. Sob o direcionamento do amor, a sub-personalidade tende a adquirir valores que a irão transformar em sentimentos elevados - super-personalidades - anulando, lentamente, a sombra, o lado mau do indivíduo, criando campo para o perdão.
Não revidar o mal pelo mal é forma de amar, concedendo o direito de ser enfermo àquele que se transforma em agressor, que se compraz em afligir e perturbar.
O homem maduro psicologicamente é saudável, por isso, ama-se e perdoa-se quando se surpreende em erro, pois que percebe não ser especial ou alguém irretorquível. Compreendendo que o trabalho de elevação se dá mediante as experiências de erros e de acertos, proporciona-se tolerância, nunca porém sendo complacente com esses equívocos, a ponto de os não querer corrigir. É atitude de sabedoria perdoar-se e perdoar, porquanto a conquista dos valores éticos é conseqüência natural do equilíbrio emocional, patamar de segurança para a aquisição da plenitude. O amor é força irradiante que vence as distonias da violência vigente no primarismo humano, gerador das sub-personalidades.
Amor é saúde que se expande, tornando-se vitalidade que sustenta os ideais, fomenta o progresso e desenvolve os valores elevados que devem caracterizar a criatura humana. O amor completa o ser, auxiliando-o na auto-superação de problemas que perdem o significado ante a sua grandeza.
Enquanto viger nos sentimentos, não haverá lugar para os resíduos enfermiços das sub-personalidades, que se transformarão em claridade psicológica, avançando para os níveis superiores do sentimento, quando a auto-realização conseguirá perdoar a tudo e a todos, forma única de viver em plenitude.

Joana de Ângelis – Psicografado por Divaldo franco

terça-feira, 11 de maio de 2010

Paradoxo do nosso tempo


Nós falamos demais, amamos raramente, odiamos frequentemente. Bebemos muito, gastamos sem critérios. Dirigimos excessivamente rápido, ficamos acordados até tarde, acordamos cansados. Lemos muito pouco, assistimos TV em demasia, perdemos muito tempo em relações virtuais, mas raramente estamos com quem amamos.
Multiplicamos nossos bens, mas reduzimos nossos valores. Aprendemos a sobreviver, mas não a viver. Adicionamos anos à nossa vida e não vida aos nossos anos. Fomos e voltamos à Lua, mas temos dificuldade em cruzar a rua e encontrar um novo vizinho. Conquistamos o espaço sideral, mas não o nosso próprio espaço interior.
Fizemos muitas coisas maiores, mas pouquíssimas melhores. Nos informamos mais, mas aprendemos menos. Planejamos muito, mas realizamos pouco. Construímos mais computadores para armazenar mais informação, produzir mais cópias do que nunca, mas nos comunicamos cada vez menos.
Estamos na era do "fast-food" e da digestão lenta; do homem grande de caráter pequeno; lucros acentuados e relações vazias. Essa é a era de dois empregos, vários divórcios, casas chiques e lares despedaçados. Essa é a era das viágens rápidas, fraldas e moral descartáveis, das rapidinhas, dos cérebros ocos e das pílulas "mágicas". Um tempo de muita coisa na vitrine e muito pouco na cabeça.
Então, dê a volta por cima, esquive-se da mediocridade. Lembre-se de passar tempo com as pessoas que ama, pois elas não estarão aqui para sempre. Lembre-se de dar um abraço carinhoso em seus pais, num amigo, pois não lhe custa um centavo sequer.
Um beijo e um abraço, quando vêm de lá de dentro, curam a dor. Por isso, valorize sua família, seus amigos, a pessoa que te ama, e aquelas que estão sempre ao seu lado. Faça da vida uma experiência divina e não um objeto de consumo.


Texto de "George Carlin", do jornal "Bem Estar"

sábado, 8 de maio de 2010

O Sucesso e suas Patologias


Esta é a maior calamidade que já aconteceu à humanidade: a idéia de sucesso, de que você tem que obter sucesso a qualquer custo, de qualquer maneira.
Todas as culturas e todas as religiões te condicionam a sentir-se negativo a respeito de si mesmo. Nenhuma pessoa é amada ou apreciada por ela mesma. Você é solicitado a provar se tem algum valor: ganhe medalhas de ouro nas competições esportivas, obtenha sucesso, dinheiro, poder, prestígio, respeitabilidade. Prove seu valor! Seu valor não é intrínseco; foi isso que lhe ensinaram. Seu valor tem que ser provado. A idéia de sucesso o tortura. E sucesso significa que você tem que competir, lutar - por meios lícitos ou condenáveis, não importa. Quando obtém sucesso tudo fica bem. O ponto-chave é o sucesso, mesmo se o alcançar por meios condenáveis. Após obtê-lo, tudo o que fez é aceitável. O sucesso altera a qualidade de todos os seus atos. O sucesso transforma meios ruins em meios bons.
Todos estão sofrendo e se sentindo inferiores. Mas ninguém é inferior e ninguém é superior, porque cada indivíduo é único - nenhuma comparação é possível. Você é simplesmente você, e não pode ser outra pessoa. E também não há necessidade. Não precisa tornar- se famoso, ser um sucesso aos olhos do mundo. Todas essas idéias são tolas.
Você só precisa ser criativo, carinhoso, consciente, meditativo... se sentir a poesia surgindo em seu interior, escreva-a para si mesma, para seu marido, para seus filhos, para seus amigos - e esqueça-se de tudo o mais! Cante sua canção e, se ninguém ouví-la, cante-a sozinho e a aprecie! Dirija-se às árvores e elas aplaudirão e apreciarão...
Você tem um sentimento negativo em relação a si mesmo porque o ensinaram a sentir-se assim. Se você julga que tem valor como é, também julgará que outras pessoas têm valor da mesma maneira como são. Perfeição é neurose.
Foram-lhe transmitidos tantos ideais e metas - ideais de perfeição - que você sempre julga não estar à altura. E os ideais são totalmente impossíveis de atingir. Você não consegue atingí-los; não há possibilidade de alcançá- los. Portanto, você nunca estará à altura. Ser perfeccionista é ser um neurótico. E a todos nós foi dito para sermos perfeitos. Imperfeição significa a possibilidade de crescer.  Aceite sua imperfeição e a idéia de ser negativo em relação a si mesmo desaparecerá. Aceite seu estado atual e não o compare com alguma perfeição futura, algum ideal futuro. Não pense em como você deveria ser! Essa é a raiz de toda patologia - desista disso. Você existe do modo como é hoje e amanhã pode ser diferente. Minha abordagem não é a perfeição, mas a totalidade. Viva o momento que se encontra totalmente disponível para você e o próximo momento nascerá dele. Jesus disse: "não pense no amanhã e olhe os lírios no campo! Como são belos." E qual é o segredo dos lírios formosos? O segredo é simples: eles não pensam no amanhã, eles nada sabem sobre o futuro. O amanhã não existe. Este dia se basta; este momento se basta. E seu sentimento de negatividade a seu respeito desaparecerá.

Extraído do Livro "Osho - Meditação para pessoas ocupadas".

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Somos todos livres


Você é livre para mudar.
Mude o caminho que faz tudo dia. Olhe por onde passa. Olhe o céu. Olhe as pessoas que cruzam seu caminho. Ande mais depressa ou ande mais devagar.
Estabeleça uma certa rotina no seu dia-a-dia. Rompa com determinados hábitos antigos. É preciso distinguir rotina de estagnação. A rotina é necessária para que possamos organizar nossa vida e ter tempo para desenvolver a criatividade e ampliar o autoconhecimento.
Na rotina podemos ter liberdade de atuação, pois podemos fazer as mudanças necessárias em prol do crescimento pessoal sem que seja preciso romper com tudo, apenas fazendo pequenos ajustes, sempre.
Estagnação é viver na inércia, sem perspectiva de mudar, melhorar ou crescer em nenhum aspecto, seja no âmbito pessoal ou profissional. A única maneira de sair da estagnação é o rompimento drástico.
Você é livre para escolher. Escolha aquilo que lhe faz bem. Saiba que aceitar ou não uma situação faz parte do leque de escolhas que você tem. Então, opte pelo que lhe proporciona paz de espírito. Sempre temos escolhas!
É preciso distinguir persistência de teimosia. Na persistência sempre temos uma meta que lutamos para alcançar. Na teimosia, simplesmente, não queremos abrir mão de algo; nem que seja de um sonho – mas é apenas um sonho e não um projeto ou realidade. É preciso distinguir sonho de projeto. Para o projeto estabelecemos prioridades, metas bem definidas, empenho objetivo, disciplina e esforço contínuo em sua realização. Sonho é a fantasia e a ilusão de um desejo, sem a praticidade necessária para que aconteça.
Você é livre para amar.
Primeiramente, ame as pessoas ampla e incondicionalmente, simplesmente, por serem seres humanos e almas em evolução. Inclua-se entre os seres humanos dignos de serem amados - todos o são!
Eleja as pessoas que lhe são especiais e comunique isso a elas sempre que possível.
Discrimine o que cada pessoa presente em sua vida representa para você.
Preste atenção no que cada uma delas pode lhe oferecer e o que você pode oferecer a cada uma delas. Nem sempre é o que esperamos e vice-versa. É preciso distinguir expectativas de possibilidades.
O ser humano tem como tônica em suas relações ter expectativas – sempre esperam que seus desejos sejam realizados. O que gera frustrações e decepções.
Muitas vezes as expectativas são irreais – acima das possibilidades em realizá-las; por isso é importante estar atento às possibilidades. Estar atento às possibilidades é estar atendo ao potencial do outro e da própria relação. Estar atento ao potencial do outro é conhecê-lo, é enxergá-lo como ele realmente é, e não como gostaríamos que fosse. Uma coisa é o que desejamos (expectativas que temos), outra coisa é o que é possível (as possibilidades reais).
Tudo isso é possível: somos livres para mudar, somos livres para fazer escolhas mais adequadas, somos livres para amar. Enfim, somos livres!
E como diz a sabedoria popular: só há liberdade com responsabilidade.
Quando assume responsabilidade sobre a própria vida você é verdadeiramente livre.
A verdadeira liberdade implica em auto-respeito, bem como respeito ao outro também (todos somos seres humanos).
A verdadeira liberdade passa pela ética, onde você se compromete com a sua verdade, aplicando-a em sua vida, sempre sem invalidar a verdade do outro. Ser verdadeiramente livre significa estar mais próximo de si e do outro enquanto seres humanos que somos, através de relacionamentos auto-responsáveis, verdadeiros e humanos.
Quando temos comprometimento com a vida, com ética e respeito, somos livres!
Autor: Maria Aparecida Diniz Bressani


sábado, 24 de abril de 2010

Seguir em frente, sem mágoas


O mestre budista Chögyam Trungpa dizia que o objetivo da vida consiste em simplesmente ir em frente e fazer da vida um modo de despertar, mais do que de adormecer. A capacidade de continuar nos ajuda a perceber que nenhum problema é sem saída. Seguir adiante significa não nos deixarmos estagnar pela inércia, pelo medo ou pela irritação.
A melhor maneira de nos libertarmos do passado é fazer as pazes conosco mesmos no momento presente. Fazer as pazes com quaisquer lembranças ou sentimentos que possam surgir. De forma que, aos poucos, não seremos mais aprisionados por essas recordações.
Passamos a permitir que antigas imagens sobre nós mesmos vão embora. Continuamos simplesmente a seguir em frente. Nada mais nos faz parar. Sabemos continuar positivamente, pois estamos conectados com nossa confiança básica, com nossa bondade fundamental.
Coragem é a habilidade de mover-se para o futuro, sem olhar para trás: desapegar-se do passado. Lembro-me de um fato ocorrido com uma amiga. Ele me contou que anos após ter ido morar com o esposo, encontrou na casa de sua mãe uma caixa fechada remanescente da mudança. Não teve dúvidas: colocou fogo na caixa sem abri-la. Assim, não despertaria a mente do apego, disse-me ele. Uma vez que passara tantos anos sem precisar das coisas que estavam naquela caixa, não era necessário abri-la para saber que o que ela continha era carga extra. Isso muitas vezes me inspira a não remexer em histórias passadas que já esgotaram seus enredos. Em muitos momentos, é preciso saber conter a curiosidade e colocar fogo nas nossas caixas, antes que não possamos mais controlar o impulso de abri-las.
Ao descobrir nossa vocação, surge em nós, simultaneamente, um profundo sentimento de coragem. Sentimo-nos muito próximos de nós mesmos quando compreendemos uma verdade interna que não pode mais ser negada. Conseqüentemente, nós nos comprometemos com a idéia de abandonar tudo aquilo que nos impedia de ir na direção de nosso destino. Ir de encontro ao destino é realizar plenamente o potencial que está desde sempre em nós. É como ouvir um chamado e responder a ele. Ou desabrochar todas as nossas potencialidades e seguir uma vocação. E estranhamente, o mundo costuma nos corresponder quando fazemos assim. Uma das formas de saber que se está no bom caminho e que estamos fazendo aquilo para o qual nascemos é que o mundo nos abre as portas.
Todos nós precisamos conhecer nossa vocação: o que temos de particular para oferecer ao mundo. Não seguir nossa vocação representa um problema tanto para nós quanto para os outros, pois, quando nos entregamos à inércia da vida, nos tornamos também um peso para aqueles que estão à nossa volta.
Se decidirmos nos tornar alguém que se dedica com todo o coração a utilizar a vida para despertar, temos que superar a dificuldade de lidar com o desconforto das mudanças.
Quando nos conscientizamos de que estamos resistentes em aceitar uma mudança iminente, é útil nos perguntar: “O que é preciso morrer agora dentro de mim, para nascer nesta nova fase com força e confiança?” Uma resposta é certa: nossas mágoas. Carregar mágoas nos faz sentir cansados e sem vontade de iniciar novos projetos. Elas revelam o quanto estamos estagnados por limitações internas e externas.
Ficar presos a elas consome nossa energia vital.
Para encerrar, abaixo seguem algumas regras para se evitar a mágoa:



Abandone hábitos que te prejudicam.
Nunca diga sim se quer dizer não.
Evite falsos amigos.
Não vá a locais que, antecipadamente, sabe que lhe fazem mal.
Jamais vá para casa com um assunto não esclarecido.
Tome decisões, jamais as administre.
Não crie situações negativas virtuais. Elas sempre vão existir só na sua mente.
Sofrer com o que é real já é suficiente.
A quem você ama, demonstre. Quem você não suporta, evite.
Nunca conviva com quem te faz mal.
Siga sua intuição.


"Autor desconhecido"



quinta-feira, 18 de março de 2010

Recomeçar


Cada dia tem o seu segredo. Revelações, notícias, mensagens que geram transformações de cento e oitenta graus em nossa vida. A sincronicidade, a intuição, os símbolos nos avisando que o momento é agora, não dá mais para adiar! O coração pede socorro...
Resistimos bravamente, temos medo de mudanças. Não queremos enxergar a verdade. Tapamos o sol com a peneira, inventamos mil desculpas, procrastinamos as decisões. Achamos que tudo vai melhorar, uma hora o relacionamento valerá a pena, a outra parte acordará e verá a pessoa maravilhosa que somos... Pura ilusão!
Por insegurança, muitas pessoas ficam num relacionamento frio, solidão a dois, concluindo que é melhor assim do que tentar novos caminhos.
Como vou me virar sozinha? Só saio deste casamento se tiver outro engatilhado! Esquecem que muitos pretendentes olham apenas mulheres que não estejam amarradas...
Não quero perder esta segurança material que ele me proporciona. Continuam no chove-não-molha, a alma chora e bate a depressão. Homens acorrentados a casamentos que já foram. A família deve permanecer unida! E as discussões alimentam a essência das crianças? É preferível pais separados equilibrados a uma existência vazia e um clima de insatisfação permanente. Que o nosso amor seja eterno, reza a cartilha... Isto é um controle! Não existem garantias, arriscamos para sermos felizes. Pode dar certo ou não, como tudo nesta vida!
Não é importante encontrarmos o grande amor de nossas vidas. Afinal de contas, como vou deixar um relacionamento firmado em cartório, mesmo aos trancos e barrancos, por uma incerteza? Prefiro sofrer em silêncio, anular-me a buscar meus sonhos...
Pode um documento ser mais forte que a pura energia do coração falando a outro coração? Os homens são mais acomodados, não querem experimentar novas emoções...
Como saber que o relacionamento está em crise? Se a mulher evita beijar o cônjuge ou tem dores de cabeça todos os dias é sinal de perigo! Se a cara-metade prefere conversar com os amigos todas as noites até altas horas, também. Ah, dormir muito também é sinal de depressão. O alarme já apitou. Está na hora de rever a história. Antes que seja tarde demais...
No começo, realmente dá confusão. Todo processo de transformação acarreta mudanças. Gera criatividade, novos desafios, caos. Mas é sempre positivo, pois nos faz crescer como pessoas. Reciclagem mental. Acima de tudo, nós. Pois, se não estamos bem, como ajudar outras pessoas? Não é egoísmo, apenas bom senso. Confie na sua intuição!
Um novo amanhecer trazendo promessas de oportunidades, energia positiva e boas vibrações. Saia do lugar comum, faça a sua vida valer a pena! Mexa-se! É mais simples do que parece. O amor é lindo, a arma mais poderosa deste universo... A pessoa certa, no momento certo e no lugar certo! Basta acreditar em você, ser sincero com a sua verdade e ouvir a voz que vem do coração. O universo conspira a seu favor...
Autor: "Mon Liu", site "Somos Todos Um".

sábado, 23 de janeiro de 2010

Todos pela Paz



                                

É inacreditável pensar que para muitas pessoas a palavra paz seja algo abstrato, meramente discursivo. Conquistar a paz é um ideal de todos os seres humanos, mas ela não se resume apenas na ausência de guerras e conflitos.
É algo muito mais pessoal e subjetivo do que podemos imaginar, e sem sua manifestação individual, a paz coletiva se torna cada vez mais difícil. Como alcançar um estado de paz quando vivemos rodeados de notícias alarmantes e tragédias cotidianas que são, aliás, a demonstração mais evidente da ausência de paz nos corações?
De fato, nos dias em que vivemos não é fácil obter silêncio, recolhimento e quietude para experimentar a paz. Mas ela pode, sim, ser alcançada com determinação e vontade.
Se estivermos plenamente conscientes de que a paz não é uma dádiva, mas uma conquista, poderemos então acessar um novo estado de consciência, uma atenção permanente sobre nossos próprios humores e sentimentos, que pode nos levar a vivenciar cada vez mais esta energia.
Quanto mais precocemente iniciarmos essa tarefa, maiores serão as chances de que as novas gerações desenvolvam o cultivo da paz. Mas de nada adiantam belos discursos sem uma demonstração prática, em todas as situações de nosso cotidiano, de que somos defensores da paz. O exemplo ainda continua sendo o método mais eficaz de educação que podemos utilizar.
Precisamos decidir, a cada momento, se reagiremos a uma provocação com violência ou nos manteremos centrados e em sintonia com nosso verdadeiro eu, aquele que não se importa em ter sempre razão ou com a opinião que outros possam ter a seu respeito.
A auto-observação permanente é a única forma de combater a reação emocional instintiva, que nos impele para os atos inconscientes de violência, dos quais certamente iremos nos arrepender.
A paz social deve nascer primeiro no indivíduo, do amadurecimento da personalidade humana e também da tolerância e da capacidade de amar a si mesmo, aos outros e ao que lhe é diferente.
E vejam bem, amar o diferente não quer dizer necessariamente concordar com ele, e quando ele está em erro não quer dizer também ser cúmplice dos erros dele.
Você pode não concordar e não escolher para você a atitude ou as idéias de um certo alguém, achar até mesmo que do seu ponto de vista ele está errado, mas não precisa escolher não gostar dessa pessoa, por não concordar com ela.
Ressaltando que aquele que erra, principalmente contra o bem estar da sociedade, precisa ser reeducado, mas não pelo ódio social, que não tem poder educador.
Podemos pensar em alguns instrumentos do bem para essa re-educação: como o trabalho, a arte, a espiritualização, os esportes e o contato com a natureza. E também uma reeducação social, onde as bases sejam os valores éticos.
Seja você a paz que deseja encontrar no mundo.
Compartilhe da sua gentileza, boa vontade, tolerância, paciência, amabilidade e respeito com as pessoas com quem convive.
A paz é o resultado de um exercício diário de quem ousa amar.


Texto de "Elisabeth Cavalcante", site "Somos Todos Um"

Poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...